Home Facebook Twitter LinkedIn Feed Perfil Email
Nit Portal Social

↑ Grab this Headline Animator

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A BANALIZAÇÃO DO ERRO!

São 17h30mim. Érika está voltando para casa após um longo dia de trabalho. No ônibus ela lembra que se esqueceu – mais uma vez - de preparar e enviar o relatório semanal para outra área - o seu cliente interno.

Sua primeira reação é de incômodo. Após alguns minutos chateada, ela pensa:

- “Não tem problema, amanhã eu envio. Eles nunca leem este relatório mesmo”.

Já reparou que muitas pessoas banalizam os seus erros? Por que isso acontece? Poderíamos pensar em inúmeros fatores para responder a esta questão. Elenco dois que considero extremamente importantes:

- Diminuímos a importância do nosso erro para não sermos protagonistas do problema.
- Atingimos um nível tão baixo de motivação, ficamos estressados ou não conseguimos lidar com a sobrecarga de trabalho que começamos a não nos importar mais com algo que nos incomodava no passado.

Claro que ter uma reação positiva perante um erro é fundamental. O desespero limita nossa capacidade de agir de forma assertiva. Entretanto, isso é diferente de não dar a real importância para o que acontece a nossa volta.

Érika não pode se acostumar a cometer erros e precisa assumir com maturidade o problema, tomando as medidas necessárias para resolvê-lo. Para isso, será importante que ela reflita sobre alguns pontos muito importantes:

"Quais os motivos da minha baixa motivação e que fazem com que eu não me importe mais com os erros que cometo"?

“Por que e quando o meu trabalho se tornou irrelevante para o meu cliente"?

“O que eu posso fazer para me sentir mais útil na empresa em que atuo"?

São questões de sobrevivência como essas que ela precisará responder caso deseje aumentar a sua permanência na empresa em que atua.

Não há mais espaço nas organizações para profissionais que não enfrentam com maturidade os seus erros e que não se comprometem com o seu trabalho.

Precisamos sim nos incomodar com os erros que cometemos e demonstrarmos comprometimento na resolução. Somente assim aprenderemos de fato com as adversidades. Fingir que um erro não existe, achar que ele é normal ou encontrar culpados e desculpas não nos tornará pessoas e profissionais melhores.

Por Denise de Moura
dicas infalíveis

Hoje vamos falar sobre a instituição Visão do Bem que tem como objetivo ajudar deficientes visuais a superar barreiras, limitações e por vezes, o preconceito.

A ideia nasceu das dificuldades que seu presidente fundador, Natanael Joaquim, vivenciou na juventude e, inspirado por Maria de Lourdes F. Joaquim, uma pessoa muito sensível, guerreira e com senso de justiça inigualável, deu vida a esta organização que vem iluminando o caminho de muitos deficientes visuais (DV) através da música.

Atualmente a ONG atende 14 pessoas que superaram dificuldades, transpuseram barreiras, acreditaram num sonho e formaram o Coral Visão do Bem, provando que a felicidade é real e que quando o sonho passa a ser um objetivo ele pode ser alcançado.

A organização também oferece ajuda médica, psicológica, educacional e jurídica, entre outras.

"Queremos mostrar que somos iguais, com capacidade de realizações".
(Natanael Joaquim)

Ana Porto/Sergio Honorato
Gestores
Nit Portal Social
Planejamento, Gerenciamento, Monitoramento de Mídias Sociais & Responsabilidade Social

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui seu comentário é muito importante!

Leia também...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares