Home Facebook Twitter LinkedIn Feed Perfil Email
Nit Portal Social

↑ Grab this Headline Animator

sexta-feira, 27 de maio de 2016

SERIAM SEUS OLHOS MAIORES QUE O SEU ESTÔMAGO?

Aqui está um desafio para você brincar com os seus sentidos: da próxima vez que seu cônjuge ou algum de seus amigos estiver preparando o jantar, coloque uma venda nos olhos antes que a comida seja servida. E então... sua experiência à mesa será afetada pelo fato de que você não estará enxergando?

Bem... se você é como as pessoas que participaram em experimentos que exploram a relação entre a visão e o paladar, pode-se dizer que provavelmente você acabaria comendo menos e não desfrutaria tanto.

Em um estudo publicado em fevereiro de 2016, pesquisadores alemães pediram a um grupo de 50 voluntários que vendassem os olhos enquanto comiam sorvete. Eles foram comparados com outros 40 indivíduos que podiam ver aquilo que estavam comendo. Consequentemente, as pessoas de olhos vendados consideraram o sorvete menos saboroso que aquelas que usaram todos os sentidos. Além disso, o grupo vendado comeu menos (apesar de ter calculado que comeu mais) do que quem não teve os olhos tapados.



Um outro pequeno estudo encontrou resultados similares quando os participantes provaram um almoço. Aqueles que tinham os olhos vendados comeram 22% menos do que o grupo de controle, porém relataram sentirem-se igualmente satisfeitos.

É possível que haja alguma verdade na expressão “Joãozinho tem o olho maior que a boca/estômago/barriga”. Em outras palavras, se a comida tem uma boa aparência, pode ser que você se veja motivado a colocar mais no prato (e assim comer mais também). Mas, se você consegue entender esse raciocínio, pode frear seu apetite.

De acordo com Paul Breslin, professor de Ciências Nutricionais da Universidade Rutgers, os aspectos mais relevantes na comida são o cheiro e o sabor, mas os cinco sentidos estão envolvidos em nossa degustação. E, eliminar qualquer um deles, como a visão ou até mesmo a audição, poderia implicar que a pessoa saboreasse menos a refeição e, por consequência, comesse menos.

Que nos lembremos disso da próxima vez que formos nos servir num restaurante com diversas opções aparentemente deliciosas!

Por Vanessa Scholar 


A ingestão excessiva de alimentos está diretamente ligada à obesidade e esta pode desencadear a doença hoje considerada como epidemia do século XXI, a Diabetes Melittus. Tratá-la quando se têm uma boa condição financeira não fica de todo difícil. Dificuldade mesmo têm aqueles que dependem da rede de saúde pública, hoje ineficaz devido à falta de profissionais, remédios, aparelhos e outros.

Exatamente quando mais se precisa é que se dá valor ao engajamento da sociedade em trabalhar em prol da parcela da população que não tem acesso à saúde.  E foi pensando nestas pessoas  que sofrem com a Diabetes Melittus é que a PRÓ-CRIANÇAS E JOVENS DIABÉTICOS contribui para o rompimento do círculo vicioso cruel - leia-se da DOENÇA SOCIAL (carência de recursos de toda ordem, miséria, desemprego, fome, moradias precárias, ausência de valores morais e afetivos, famílias numerosas, promiscuidade, baixa ou nenhuma instrução, ignorância, incapacitação pessoal e profissional do chefe de família, negligência de toda ordem, violência sexual e doméstica, drogas, alcoolismo etc.), mediante a prestação de assistência social sem finalidade de lucro – em nível domiciliar, em proveito das crianças e jovens diabéticos, com prioridade para as famílias de baixa renda.

Acesse o link, conheça o trabalho e participe!

Ana Porto/Sergio Honorato
Gestores
Nit Portal Social
Planejamento/Gerenciamento, Monitoramento de Mídias Sociais para Empresas & Responsabilidade Social

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui seu comentário é muito importante!

Leia também...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares